domingo, 31 de maio de 2009

O DIA EM QUE O MARABAIXO PEDIU RESPEITO AO PADRE

____________________________________________________________________
O dia de hoje foi marcado no bairro do Laguinho como o dia em que o povo não deixou que um padre mudasse a história tradicional. Há mais de 100 anos a tradição do marabaixo louva o Divino Espírito Santo e a Santíssima Trindade, mesmos santos da Igreja católica, com homenagens que incluem marabaixo, ladainha, bailes, levantação dos mastros e louvor dentro da Igreja junto com a tradicional missa. Uma convivência respeitosa dos líderes católicos com os participantes do marabaixo. Desde o ano passado este ritual está sendo alvo de preconceito por parte do padre Geovani Pantarolo, da Igreja São Benedito, a única católica do bairro.
Numa atitude que demonstra claramente a ignorância cultural e total falta de conhecimento do padre com a história do Amapá, os participantes do marabaixo foram mais uma vez desrespeitados pelo padre que quis mudar a tradição e deixar a imagem do Divino Espírito Santo longe do altar, em um canto escondido atrás de uma coluna. A atitude preconceituosa também foi tomada em 2008 quando o padre dedicou seu sermão para dizer que marabaixo é coisa do demônio e quem participa não vive na plenitude de Deus.

A ação do padre provocou uma reação do povo do Laguinho. Na noite de hoje após seguirem o rito de pegar a murta, os participantes cantando ladrões, tocando caixas e dançando, entraram na Igreja na hora da missa deixando os presentes sem entender o que estava acontecendo. O padre causador do transtorno não estava presente. Danniela Ramos, bisneta de Mestre Julião Ramos e presidente da Associação Raimundo Ladislau pediu desculpas pela interrupção, pegou o microfone que foi desligado a manado de um líder da Igreja. Usando a voz acostumada a entoar ladrões durante horas, Danniela falou em nome do povo tradicional do Laguinho e foi escutada mesmo sem microfone.

Sob olhares reprovadores dos coordenadores da missa, que chegaram a ameaçar chamar a polícia, Danniela falou entre outras coisas, que não vamos deixar um padre mudar nossa história e que o padre precisa conhecer nossas tradições pra julgar. “O padre não pode dizer que o marabaixo é coisa do demônio se não conhece os festejos, estamos aqui em protesto a esta atitude preconceituosa, não viemos atrapalhar a missa, mas pedir respeito ao nosso povo, ele quer acabar com nossa história e um povo sem história não existe, e nós existimos”, disse Danniela.

Não é a primeira vez que a cultura do marabaixo é desrespeitada por pessoas que ignoram a tradição amapaense. Um juiz na década de 80 quis impedir os festejos na casa do finado Mestre Pavão por estar perturbando seu sono. Teve que ir embora do Amapá após muitas manifestações. Para construir a UNA os negros tiveram que se armar para enfrentar assessores do prefeito e garantir que o espaço fosse construído. Danniela Ramos vai procurar amanhã mais uma vez o Bispo Dom Pedro pra relatar o acontecimento.
________________________________
Texto: MARILÉIA MACIEL

sexta-feira, 22 de maio de 2009

Unesco lança biblioteca mundial digital

___________________________________________________________________
Mapa de 1562 mostrando o 'novo mundo' faz parte do acervo da Biblioteca do Congresso Americano.

A Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura) lança nesta terça-feira a Biblioteca Digital Mundial, que permitirá consultar gratuitamente pela internet o acervo de grandes bibliotecas e instituições culturais de inúmeros países, entre eles o Brasil.

Dezenas de milhares de livros, imagens, manuscritos, mapas, filmes e gravações de bibliotecas em todo o mundo foram digitalizados e traduzidos em diversas línguas para a abertura do site da Biblioteca Digital da Unesco (http://www.wdl.org/).

A nova biblioteca virtual terá sistemas de navegação e busca de documentos em sete línguas, entre elas o português, e oferece obras em várias outras línguas.

Entre os documentos, há tesouros culturais como a obra da literatura japonesa O Conde de Genji, do século 11, considerado um dos romances mais antigos do mundo, e também o primeiro mapa que menciona a América, de 1507, realizado pelo monge alemão Martin Waldseemueller e que se encontra na biblioteca do Congresso americano.

Entre outras preciosidades do novo site estão as primeiras fotografias da América Latina, que integram o acervo da Biblioteca Nacional do Brasil, o maior manuscrito medieval do mundo, conhecido como a Bíblia do Diabo, do século 12, que pertence a Biblioteca Real de Estocolmo, na Suécia, e manuscritos científicos árabes da Biblioteca de Alexandria, no Egito.
Até o momento, o documento mais antigo da Biblioteca Digital da Unesco é uma pintura de oito mil anos com imagens de antílopes ensanguentados, que se encontra na África do Sul.

A foto da imperatriz Thereza Christina, do acervo da Biblioteca Nacional, está disponível no site.

32 instituições

A Biblioteca Nacional do Brasil é uma das instituições que contribuíram com auxílio técnico e fornecimento de conteúdo ao novo site da Unesco.
O projeto contou com a colaboração de 32 instituições, de países como China, Estados Unidos, França, Grã-Bretanha, México, Rússia, Arábia Saudita, Egito, Uganda, Israel e Japão.

O lançamento do site será acompanhado de uma campanha para conseguir aumentar o número de países com instituições parceiras para 60 até o final do ano.

"As instituições continuam proprietárias de seu conteúdo cultural. O fato de ele estar no site da Unesco não impede que seja proposto também a outras bibliotecas", explicou Abdelaziz Abid, coordenador do projeto. A ideia de uma biblioteca digital mundial gratuita foi apresentada à Unesco pelo diretor da biblioteca do Congresso americano, James Billington, ex-professor da Universidade de Harvard.

Ele dirige a instituição cultural do congresso americano desde 1987 e diz ter aproveitado o retorno dos Estados Unidos à Unesco, em 2003, após 20 anos de ausência, para promover a ideia da biblioteca digital.

"Eu lancei essa ideia e sugeri colocá-la em prática nas principais línguas da ONU, como o árabe, chinês, inglês, francês, português, russo e espanhol", diz Billington.

Ele se baseou em sua experiência na digitalização de dezenas de milhões de documentos da Biblioteca do Congresso americano, criada em 1800.

O objetivo da Unesco é permitir o acesso de um maior número de pessoas a conteúdos culturais e também desenvolver o multilinguismo.
_____________________________________________________________
Daniela Fernandes (De Paris para a BBC Brasil)

quinta-feira, 14 de maio de 2009

Aberto os Editais do MinC de Apoio a Cultura!!!

_____________________________________________________________________


- PRÊMIO DE APOIO A PEQUENOS EVENTOS


O objetivo do prêmio é incentivar a troca de saberes em seminários e oficinas, a celebração de festividades, mostras de poesia, literatura, artes plásticas, teatro, cinema, circo, capoeira e música, além da viabilização de shows, feiras e exposições. Serão distribuídos 40 prêmios, divididos em três categorias, que somam um investimento de R$ 750 mil. Para se inscrever, os proponentes devem apresentar evento cultural com orçamento inferior a R$ 50 mil e que se realize entre junho e dezembro de 2009.

>> Inscrições até 30 de maio de 2009 I
Saiba mais

- PRÊMIO ASAS

O prêmio pretende premiar as iniciativas dos Pontos de Cultura que apresentarem as melhores práticas de implantação na execução dos projetos apoiados, contribuindo para a divulgação dos meios mais efetivos de promoção do desenvolvimento autônomo de suas atividades e o avanço do processo cultural da rede dos Pontos de Cultura. Atenção para o novo endereço para o envio das propostas: COMISSÃO DE AVALIAÇÃO DO PRÊMIO ASAS - SBS, Quadra 02, LOTE 11 - Edf: Elcy Meirelles - 2º subsolo CEP: 70.070-120 - Brasília / DF

>> Inscrições prorrogadas até 13 de junho de 2009 I Saiba mais
___________________________________________
Ministério da Cultura - Secretaria de Cidadania Cultural

segunda-feira, 11 de maio de 2009

Bibliotecas perdem espaço para avanço da internet

___________________________________________________________________
Bibliotecas estão presentes no País


Pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostra que as bibliotecas públicas são os equipamentos mais presentes nos municípios brasileiros. A Munic 2005 registrou que existem 6.545 bibliotecas localizadas em 4.726 municípios, o que dá uma relação de 1,2 biblioteca por município, índice que chegou a 97,8% em 2006.

Segundo o IBGE, seguem em importância relativa as videolocadoras (de fitas e DVDs) em 78% dos municípios, os estádios ou ginásios esportivos (77%), lojas de discos, CDs, fitas e DVDs (55%), estações de rádio FM (51%) e provedores da Internet (51%).

De 1999 a 2005, o percentual de municípios com provedores de internet passou de 15% para 46%, que representa um aumento de 206,7%. Já as lojas de discos, CDs fitas e DVDs, teatros e salas de espetáculo e estações de rádio FM tiveram um crescimento ao redor de 50% nesse período. Apesar do incremento, somente 21% dos municípios brasileiros possuem salas de teatro. Ainda nesse período, as estações de rádio AM apresentaram um crescimento relativo reduzido (10% permanecendo no patamar de 20%), bem inferior ao das rádios FM (50%).


A pesquisa constatou também um decréscimo de -11% no número de municípios com livrarias (cai de 35% dos municípios, em 1999, para 31% em 2005). O decréscimo do número de municípios com livrarias, em 2005, pode ser justificado pelo redirecionamento da distribuição de livros por diferentes formas como lojas multimídia, supermercados, bancas de jornais, distribuição pelo governo, ou seja, o ritmo da produção de livros no país não acompanha necessariamente a evolução da presença de livrarias nos municípios brasileiros.

Este equipamento cultural abre a possibilidade de um maior entendimento sobre o seu papel como veiculador de conteúdos culturais, não apenas diretamente ligados à leitura, mas a outras possibilidades de acessos mais amplos, como vídeos, Internet , cds, dvds, etc. O menor percentual de manutenção é o de teatros ou casas de espetáculos (76,8%).


Mercado on line de livros impresso se amplia

A internet é um concorrente forte das bibliotecas. Em casa, no escritório, ambiente de trabalho ou em qualquer lan-house de bairro, uma pessoa pode acessar livros através da mídia digital. O portal de pesquisa Google, por exemplo, disponibiliza a abertura de livros, total ou parcialmente, para o internauta que for cadastrado.

Para proporcionar a leitura e pesquisa de livros, o Google está fazendo um acordo com autores e editoras para disponibilizar on line livros do mundo inteiro. Todos os resultados relevantes aparecem nos pesquisa e, ao clicar em um resultado, você é direcionado para a página correspondente no livro, e ainda pode percorrer mais algumas páginas e saber onde comprar o livro ou obter emprestado.
Segundo o site do Google, por enquanto, só é possível exibir alguns trechos do texto da maioria dos livros protegidos por direitos autorais digitalizados pelo Projeto Biblioteca. Como a grande maioria desses livros está esgotada, para realmente lê-los é necessário procurar em uma biblioteca ou sebo.

O Google trabalha com três tipos de livros: os livros protegidos por direitos autorais e à venda, que as editoras ainda estão distribuindo para venda e podem ser encontrados na maioria das livrarias. Este acordo amplia o mercado on-line de livros impressos, permitindo aos autores e editoras ativar os modelos de "visualização" e "compra" que facilitam a disponibilização dos títulos na Pesquisa de Livros do Google.

Os livros esgotados são aqueles que deixaram de ser editados ou vendidos, e só podem ser adquiridos em bibliotecas ou sebos. Quando este acordo for aprovado, todos os livros esgotados que nós digitalizarmos serão disponibilizados para visualização e compra on-line, a menos que o autor ou editora opte por "desativar" o título. Para nós, será extremamente vantajoso para o mercado editorial permitir que os autores e editoras lucrem com volumes que poderiam ter sido considerados totalmente extintos do mercado.


Já os livros não protegidos por direitos autorais não afeta a exibição. Os usuários da Pesquisa de Livros do Google ainda vão poder ler, baixar e imprimir esses títulos, como fazem hoje.


Domínio público


O governo federal também disponibiliza um site na internet, em que os leitores podem fazer suas pesquisas, inclusive de obras raras e que hoje são de domínio público.


No site www.dominiopublico.gov.br, o internauta pode realizar pesquisa por palavra-chave dentro do conteúdo dos documentos disponíveis no acervo, inclusive textos de teses e dissertações e ainda pesquisa por nome do autor.


O site tem obras de texto, imagem, som e vídeo em 47 áreas do conhecimento. Alguns destaques do acervo são as obras completas de Machado de Assis, Poesia de Fernando Pessoa, Literatura Infantil em português, A Divina Comédia em português, obras de Joaquim Nabuco.


Ainda existem diversas obras de autores estrangeiros, inclusive Clássicos das literaturas gregas e romanas.
__________________________________
Tribuna do Norte Online/RN: Munic